Por maior que seja, o pecado não passa de uma gota d'água no oceano da misericórdia infinita de Deus (Antonio Luiz Macêdo)..

segunda-feira, 17 de junho de 2019

NOTÍCIA DESTAQUE

Que tipo de amor quero receber?

O Livro do Gêneses nos fala que o ser humano foi criado por Deus, à sua imagem e semelhança. Deus incutiu nele atributos que nenhum animal, nenhum ser possui: inteligência, liberdade entre outros. E entre eles está a capacidade de amar. O ser humano traz essa capacidade devido a sua criação, já escrita em seu coração. De modo que todos nós corremos a nossa vida inteira, saibamos ou não, para amarmos e sermos amados. Ninguém pode fugir disso, faz parte de nós. Tudo o que fazemos em nossa vida faz parte desse desejo instintivo de realizarmos aquilo para o qual Deus nos criou: amar, ser felizes, adorá-Lo.
Por que sofremos tanto, então? Porque, muitas vezes, não conseguimos visualizar tudo isso que está em nós, e que, ao mesmo tempo, todas as nossas atitudes vão ao encontro de realizar todo este desejo do nosso coração. No entanto, por não reconhecermos que a sede da nossa alma está em Deus, vamos procurar realizar a nossa felicidade em outras coisas, pessoas, lugares… A nossa felicidade está em Deus e não há outro lugar em que podemos ser completos, senão n’Ele. É Ele e somente Ele que pode completar aquilo que falta em nossa alma, que pode saciar a nossa sede, que pode nos dar aquilo que, no mais íntimo do nosso ser, desejamos.
o ilustrativa: Wesley Almeida/cancaonova.com

Criados para amar

Nesta sede de amar, de nos realizar, de sermos felizes, buscando a felicidade nas coisas e nas pessoas, ferimo-nos profundamente. Ao comprovar que nos decepcionamos, frustramo-nos, porque a sede da nossa alma é muito grande. Naturalmente, esperamos muito dos outros, esperamos uma reação de alguém, uma palavra amiga, um gesto de carinho, sua presença, afeto, amor. E quantas expectativas geramos em nosso interior ao perceber que estamos nos doando, muitas vezes, sem reservas para alguém em um relacionamento de amizade, namoro ou em outro relacionamento. À medida que vamos nos entregando a essa pessoa, vamos percebendo que, em algum momento, ela pode não nos corresponder o suficiente, de acordo com o que esperávamos e ansiávamos. Então, começa a surgir a frustração, a desilusão e a decepção.
Quem nunca se decepcionou com alguém? Penso que todos, em algum momento da vida, já passaram por isso. Logo depois, veio aquele sentimento de não mais querer investir em ninguém, de não mais se empenhar nisso. E, assim, muitas vezes, começam a surgir os votos íntimos: “Não vou gostar mais de ninguém” e “Não dou certo com ninguém!” ou “Nasci para viver sozinho”… Quantas coisas a gente vai decretando sobre nossa vida, mesmo sem perceber, frutos da desilusão. Fato este inevitável, pois nós somos humanos e, afinal, somente Deus nos completa naquilo que a nossa alma necessita.

A presença de Deus em nossa vida

O Senhor, a todo o momento, revela o Seu amor e presença por meio das pessoas. E buscar ter uma alma completa n’Ele impele que O busquemos nelas. E ao fazê-lo, muito mais do que o outro possa nos oferecer ou ser para nós, buscamos a presença de Deus nele, a fim de que nossa alma possa ser complementada. Dessa forma, paramos de buscar as pessoas simplesmente, mas sim, Deus nelas.
Pelo batismo no Espírito Santo, tornamo-nos templos vivos do Senhor. Ao entrarmos em uma capela para rezar ou adorar ao Senhor, não levamos nada dela, a não ser o brilho e a presença de Deus em nós, pelo contato com Jesus Eucarístico. Da mesma forma, ao entrarmos nas “capelas” particulares dos demais, não podemos querer levar ou exigir nada deles, vamos lá para “adorar” a presença de Deus neles.
Quando experimentamos que somente Deus é quem pode nos fazer felizes e que não nos decepciona jamais, é que podemos nos sentir livres para não esperar dos outros aquilo que somente o Senhor pode nos oferecer, mas que nos é revelado também por meio das pessoas.
Que o nosso coração possa, realmente, ser preenchido pela felicidade que Deus pode nos dar. Amemos o Senhor!
Enilson Martins Benício, missionário da Comunidade Canção Nova

Canção Nova

NOTÍCIA DESTAQUE

Falece jovem com câncer terminal ordenado sacerdote em cama de hospital

VARSOVIA, 17 Jun. 19 / 11:52 am (ACI).- Faleceu nesta segunda-feira, 17 de junho, Pe. Michal Los, o jovem com câncer terminal que foi ordenado sacerdote no mês passado em uma cama de hospital, após receber a autorização do Papa Francisco.
Em um comunicado em sua página no Facebook, a Congregação dos Filhos da Divina Providência (Orionitas) da Polônia expressou seu pesar pelo falecimento e Pe. Michal Los. “Acreditamos que mele se encontrou com Cristo ressuscitado, a quem desejava servir como sacerdote”, manifestaram, ao agradecer também pelas “orações e apoio”.
Por sua vez, os Orionitas no Brasil informaram por meio de sua página no Facebook que o sacerdote polonês “celebrou sua Páscoa às 11h53 e agora está para sempre nos braços do Bom Pai”.
“Vamos orar e rezar, agradecendo ao Senhor por tê-lo dado a nós como testemunha de grande Fé e amor. Não foi a morte que tirou a sua vida, mas sim quem a deu por amor a Cristo e aos pobres”, assinalam.
Pe. Michal foi ordenado diácono e sacerdote da Igreja Católica em 24 de maio de 2019, na cama do hospital militar de Varsóvia (Polônia), graças a uma permissão e à dispensa concedida pelo Papa Francisco.
A cerimônia foi celebrada pelo Bispo Auxiliar de Varsóvia-Praga, Dom Marek Solarczyk, em companhia de outros sacerdotes da congregação e familiares.
O novo sacerdote pôde celebrar sua primeira Missa no dia 26 de maio. A imagem de sua primeira celebração foi compartilhada nas redes sociais e se tornou viral em todo o mundo.
No último dia 7 de junho, quando celebrava seu aniversário, Pe. Michal Los recebeu no hospital a visita do presidente da Polônia, Andrzej Duda, ao qual abençoou.

ACI Digital

A VOZ DA IGREJA

Angola - Bodas de Ouro da Diocese de Benguela

A abertura oficial das Bodas de Ouro aconteceu na última quinta - feira (06/06), na paróquia de Nossa Senhora de Fátima, Sé Catedral. Fiéis, religiosos e religiosas participaram da missa de abertura que marcou também a celebração dos 49 anos da Diocese fundada a 6 de Junho de 1970.
Anastácio Sasemblee - Luanda
A diocese de Benguela,  pertencente à Província Eclesiástica do Huambo, em Angola, já está oficialmente a viver o ano jubilar, desde o passado dia 6 deste mês de Junho. 
“Em tudo daí graças” é o lema do jubileu desta Diocese , fundada a 6 de Junho de 1970, pela bula "Omnimode-Solliciti", pelo Papa Paulo VI, quando foi desmembrada da antiga Diocese de Nova Lisboa, hoje arquidiocese do Huambo. Foi primeiro Bispo Dom  Armando Amaral dos Santos.
Na Sé catedral da diocese, testemunharam a abertura do Jubileu de ouro e a celebração dos 49 anos de existência da diocese, sacerdotes, religiosos e religiosas e o santo povo de Deus.
Na homilia da missa, o pastor da diocese Dom António Francisco Jaca exortou os fiéis a uma renovação profunda, consubstanciada, sobretudo na renovação espiritual, moral e social.
“A comunidade diocesana neste ano jubilar é chamada a lutar contra tudo aquilo que o pecado produz como forma de escravidão, de exploração de abusa de autoridade e de descriminação” referiu o prelado.
A diocese de Benguela tem uma superfície de 49 920 Km2. Está localizada no centro litoral de Angola. A maioria da população do território Diocesano é da tribo Ovimbundo.
Dom Jaca sublinhou a necessidade de se criar o caminho do jubileu com amor fraterno, caridade e com devoção, para o prelado este é o caminho para a santidade.
Benguela é a Diocese com mais sacerdotes na Conferência Episcopal de Angola e São Tomé (CEAST), a maioria deles ordenados por Dom Óscar Lino Lopes Fernandes Braga, segundo Bispo da Diocese. Dom  Eugénio Dal Corso, terceiro Bispo da Diocese. No dia 26 de Março de 2018, o Papa Francisco nomeou o Dom António Francisco Jaca para ser o 4° Bispo.
Dom  Armando Amaral dos Santos, primeiro bispo da diocese, de feliz memória, será homenageado nestes 50 anos de igreja particular com a erecção de um centro pastoral diocesano. 

Vatican News

domingo, 2 de junho de 2019

PALAVRA DO PAPA

Papa Francisco: "A Europa volte a ser o sonho dos pais fundadores"

O desejo de Francisco no diálogo com os jornalistas no voo para Roma, no final da viagem à Romênia: o político não deve semear ódio e medo, somente esperança.
Do voo Sibiu-Roma
"A Europa volte a ser o sonho dos Pais fundadores" é o desejo que o Papa Francisco expressou no final da coletiva de imprensa no voo para Roma, na conclusão da sua viagem à Romênia. No início do diálogo com os jornalistas, o Pontífice recordou o Dia das Comunicações Sociais que se celebra neste domingo.
"Hoje, este dia recorda vocês, o nosso pensamento vai a vocês: vocês que trabalham na comunicação são operadores e são, ou deveriam ser, testemunhas da comunicação. Hoje a comunicação vai para trás, em geral. Vai mais longe no "contato", fazer "contatos" e não conseguir comunicar. Vocês, por vocação, são testemunhas da comunicação, devem fazer "contatos", mas devem comunicar. Um pouco menos de contatos e mais comunicação...".
Diana Coada Dumitrascu, da TVR
Milhões de compatriotas nossos emigraram nos últimos anos. Qual é a sua mensagem para uma família que deixa seus filhos para trabalhar no exterior?
"Isso me faz pensar na família que se separa, há sempre nostalgia de se encontrar. Separar-se para que não falte nada aos filhos é um ato de amor. Ontem ouvimos aquela senhora que trabalhava no estrangeiro para ajudar a sua família: é sempre uma situação dolorosa, partem por necessidade. E muitas vezes esses são os resultados de uma política mundial que incide sobre isto. Conheço a história do seu país após a queda do comunismo e, depois, muitas empresas estrangeiras fecharam as portas para abrirem em outro lugar e ganhar mais. Fechar uma empresa e deixar as pessoas na rua. Esta é também uma injustiça mundial, geral: é falta de solidariedade. Há sofrimento, não é fácil na atual situação mundial, oferecer oportunidades de emprego, e pensar que se vocês têm uma taxa de natalidade impressionante, não se vê aqui o Inverno demográfico! E é uma injustiça não ter trabalho para tantos jovens. Por isso, faço votos de que esta situação, que não depende só da Romênia mas da ordem financeira mundial, seja resolvida. Muitas pessoas ficam sozinhas. Há necessidade da solidariedade mundial e, neste momento, a Romênia está na Presidência da União Europeia".
Cristian Micaci de Radio Maria - Romênia
Falou-se muito em caminhar juntos, agora gostaria de lhe perguntar o que nos aconselha: qual deveria ser a relação entre as confissões, entre católicos e ortodoxos? Quais são as relações entre os vários grupos étnicos e o mundo político?
"Eu diria a relação da mão estendida, quando há conflitos. Hoje no país há um alto nível de nascimentos, se deve fazer um processo de aproximação entre diferentes grupos étnicos, confissões religiosas, compromisso, mãos estendidas, escutar o outro. Com os ortodoxos: vocês têm um grande patriarca, um homem de grande coração, um grande estudioso, conhece a mística dos pais do deserto, a mística espiritual, estudou na Alemanha e é também um homem de oração. É fácil aproximar-se de Daniel. Conversamos como irmãos. Caminhamos juntos! Tendo sempre esta ideia: o ecumenismo não é chegar ao fim do jogo, das discussões. Isso se faz caminhando, andando juntos, rezando juntos. Temos na história o ecumenismo de sangue: quando matavam os cristãos não perguntavam: você é católico? Você é ortodoxo? Você é luterano? Eles perguntavam: você é cristão? Há o ecumenismo do testemunho, do sangue e depois o ecumenismo dos pobres, trabalhando juntos para ajudar os pobres, os doentes, os enfermos, como lemos no capítulo 25 de Mateus. Caminhar juntos, mas não esperar que os teólogos cheguem a um acordo para chegar à Eucaristia comum. O ecumenismo se faz junto com as obras de caridade e querendo-se bem. Em uma cidade da Europa havia uma boa relação entre o arcebispo católico e o arcebispo luterano. O católico devia vir ao Vaticano no domingo à noite. Ele me ligou e me disse: "Vou chegar na segunda-feira, porque o luterano me disse que tinha que partir e me pediu: "Pode vir à minha catedral e fazer o culto?". E ele o fez. Quando eu estava em Buenos Aires, fui convidado pela Igreja Escocesa para pregar em suas funções. Podemos caminhar juntos: unidade, fraternidade, mão estendida, não falar dos outros. Todos temos defeitos".
Xavier Le Normand, de I-Media
No primeiro dia o senhor foi à catedral ortodoxa, um momento bonito, mas no momento da oração do Pai Nosso foi um pouco difícil, porque vocês estavam juntos, mas não rezavam juntos. No que o senhor pensou quando ficou em silêncio durante o Pai Nosso em romeno?
"Farei uma confidência, eu não fiquei em silêncio, rezei o Pai Nosso em italiano e vi a maioria das pessoas rezando seja em romeno seja em latim. As pessoas vão além de nós, líderes. Nós líderes devemos fazer equilíbrios diplomáticos para garantir que caminhamos juntos, há hábitos, é bom conservar para que as coisas não se arruínem, mas as pessoas também rezam juntas, também nós quando estamos sozinhos rezamos juntos. Uma experiência que tive com muitos pastores e ortodoxos. Sim, temos pessoas fechadas que dizem que os ortodoxos são cismáticos: são coisas velhas. Há grupos católicos que são um pouco integristas, devemos rezar ao Senhor por eles. Mas eu, na catedral, eu rezei".
Manuela Tulli, da ANSA
Nestas eleições, líderes como o italiano Salvini fizeram campanha mostrando símbolos religiosos, Terços, cruzes, consagrações ao Coração Imaculado. O que o senhor pensou sobre isso? É verdade que não quer encontrá-lo?
"Não recebi ninguém do governo, exceto o primeiro-ministro Conte que fez pedido de acordo com o protocolo. Foi uma boa audiência, de uma hora de duração. Ele é um homem inteligente, professor, ele sabe do que está falando. Dos vice-premiers e outros ministros não recebi pedidos de audiência. Sobre as imagens da campanha eleitoral: já confessei que muitas vezes leio o jornal do "partido" que é “L'Osservatore Romano”, e li há chaves interpretativas muito interessantes. E depois o “Messaggero” que eu gosto porque tem títulos grandes... Eu folheio-o assim. Eu não entrei nessas notícias, na propaganda, como um partido fez, como outro partido fez... Confesso que sou ignorante, não posso dar uma opinião sobre as atitudes da campanha eleitoral de um dos partidos. Rezo por todos para que a Itália avance e que os italianos se unam, que sejam leais ao seu compromisso. Sou italiano porque sou filho de emigrantes italianos, todos os meus irmãos têm cidadania, eu não pude tê-la porque, neste meio tempo, me tornei bispo... Há na política de tantos países a doença da corrupção, em todos os lugares, em todos os lugares, mas não digam que eu disse que a política italiana é corrupta! Isto é universal. Uma vez disseram-me como são os acordos políticos: imaginem uma reunião, com nove empresários sentados à mesa. Eles discutem para concordar sobre o desenvolvimento de suas empresas, no final após horas e horas eles entram em acordo. Enquanto imprimem o acordo, tomam uísque, e enquanto passam os papéis para assinar, debaixo da mesa eu faço outro acordo. Isto é corrupção: devemos ajudar os políticos a serem honestos e a não fazer campanha com bandeiras desonestas, calúnias, difamações, escândalos, e tantas vezes semeiam ódio e medo. Isto é terrível. O político não deve semear ódio e medo, somente esperança, correta, exigente, mas somente esperança.
Eva Maria Huescar Fernandez, da Rádio Cope
Com os jovens, o senhor insistiu sobre a relação com os avós para que os jovens tenham raízes e os avós possam sonhar. O senhor não tem uma família perto, mas disse que para o senhor Bento XVI é como um avô. Continua a vê-lo assim?
"Cada vez que vou visitá-lo, faço-o falar, ele fala pouco, fala lentamente com a mesma profundidade de sempre, tem uma grande lucidez e eu ouvindo ele falar, torno-me forte: o sumo da raiz ajuda-me a ir para frente. A tradição é como as raízes que lhe dão o sumo para crescer, você vai florir! A tradição está sempre em movimento: em uma entrevista que Monda fez há alguns dias no L’Osservatore Romano, há uma citação que eu gostei muito, de Gustav Malher: falando de tradições, dizia que "a tradição é a garantia do futuro e não a custódia das cinzas". A tradição conserva não as cinzas, esta é a nostalgia dos integristas, mas são as raízes que permitem que a árvore cresça. Tudo o que a árvore tem fora vem do que tem debaixo da terra. Contei-lhes sobre o episódio da avó que vi ontem na praça de Iasi, que estava mostrando seu neto e me olhou com cumplicidade. Devia tê-la convidado para vir à frente.... O nosso bom fotógrafo Francesco tirou a fotografia e agora é pública, vi-a no Vatican Insider. Quando os jovens têm raízes, os avós podem sonhar".
Lucas Franz Helmut Wiegelmann de Herder Korrespondenz
Nestes dias o senhor falou de fraternidade das nações e de caminhar juntos, mas vemos que na Europa há um número crescente de pessoas que não desejam a fraternidade e preferem caminhar sozinhas. O que podemos fazer para mudar?
"Perdoem-me por me citar, mas falei deste problema em Estrasburgo e quando recebi o Prêmio Carlos Magno e depois o discurso com os Chefes de Estado e de Governo na Sistina por ocasião do aniversário dos pactos europeus. E há também um quinto discurso, o do Burgomestre de Achen. A Europa não deve dizer: arranjem-se vocês e avancem: todos somos responsáveis pela União Europeia e a circulação da Presidência da UE não é um gesto de cortesia, mas sim um símbolo da responsabilidade de cada um dos países. Se a Europa não for grande face aos desafios futuros, ficará murcha. Eu disse que a Europa, de mãe está se tornando a vovó Europa. Talvez alguém escondido pode se perguntar: não será este o fim da aventura que começou há 70 anos? É preciso retomar a mística dos pais fundadores, reencontrar-se e superar as divisões das fronteiras. Estamos vendo fronteiras na Europa e isso não é bom, é verdade que cada país tem a sua própria identidade e deve preservá-la, mas, por favor, a Europa não se deixe vencer pelo pessimismo e pelas ideologias, porque é atacada por ideologias, e nascem grupinhos na Europa. Pensem numa Europa dividida, vamos aprender com a história, não voltemos atrás.
No final da entrevista, o Papa quis dizer "obrigado à chuva" por lhe ter permitido - obrigando-o a fazer longas viagens de carro - ver a "bela paisagem da Romênia". E concluiu: "Digo a vocês: rezem pela Europa, que o Senhor nos dê a graça: espero sinceramente que a Europa volte a ser o sonho dos pais fundadores".
(resumo não oficial recolhido por Andrea Tornielli)


Leia as obras de Antonio Luiz Macêdo:
Sou Catequista (busque em Artigos)
 

domingo, 30 de dezembro de 2018

GOTA DE ESPERANÇA - 30/12


Tenha um domingo abençoado!

Se um dia nos sentirmos REJEITADOS, EXCLUÍDOS, ABANDONADOS e TRISTES, lembremos destas palavras de São Paulo:"Vós sois amados por DEUS, sois os seus SANTOS ELEITOS".

O que poderíamos desejar mais? "Só DEUS basta". (Mini reflexão de Colossences 3,12).

Paz e Luz
Antonio Luiz Macêdo

Leia mais obras de Antonio Luiz Macêdo:
Minhas Reflexões de Vida (início da página)


  1.  

sábado, 29 de dezembro de 2018

GOTA DE ESPERANÇA -29/12


Tenha um sábado abençoado!
 
Você sabia que os nossos tropeços são sinais de que andamos nas trevas? Trevas do EGOÍDMO, da ARROGÂNCIA, da PREPOTÊNCIA, do DESAMOR, da COMPETIÇÃO, da INVEJA e de tantos outros tipos de treva?

Existe um caminho que podemos trilhar, evitando os tropeços. "O que AMA SEU IRMÃO permanece na LUZ, e não corre perigo de tropeçar". Amemos então o próximo, para que possamos evitar od tropeços da vida. (Mini reflexão de 1João 2,10).

Paz e Luz
Antonio Luiz Macêdo

Leia mais obras de Antonio Luiz Macêdo:
Minhas Reflexões de Vida (início da página)
Sou Catequista (busque em Artigos)


sexta-feira, 28 de dezembro de 2018

GOTA DE ESPERANÇA - 28/12/2018

Tenha uma sexta-feira abençoada!

Quando as correntezas das águas impetuosas da vida investirem contra nós, e o laço das ciladas do demônio tentar nos prender... Onde buscarmos auxílio? No DINHEIRO? No PODER? ONDE ENFIM? "A NOSSA PROTEÇÃO ESTÁ NO NOME DO SENHOR, QUE FEZ O CÉU E A TERRA" - nos afirma o Salmista. 


Acolhamos esta PALAVRA em nosso coração e procuremos vivenciá-la.


(Mini reflexão do Salmo 123,2-5.7b.8)


Paz e Luz
Antonio Luiz Macêdo

Leia mais obras de Antonio Luiz Macêdo:
Minhas Reflexões de Vida (início da página)
Sou Catequista (busque em Artigos)