Não goste, ame! Pois somente o AMOR é capaz de construir o mundo. (Antonio Luiz Macêdo)..

quinta-feira, 31 de outubro de 2019

“O bem precioso do Matrimônio e da Família”

NOS PASSOS DE SÃO JOÃO PAULO II



“A Igreja, iluminada pela fé, que lhe faz conhecer toda a verdade sobre o precioso bem do matrimónio e da família e sobre os seus significados mais profundos, sente mais uma vez a urgência de anunciar o Evangelho [...]"


Quando Deus criou o homem e a mulher à sua imagem e semelhança, tornou-os muito parecidos com Ele. Criados por amor e para amar, o Senhor lhes deu uma bênção especial – pré significado do Sacramento do Matrimônio – que Jesus autenticaria com as palavras: “Não separe pois o homem, o que Deus uniu”. A preciosidade desta bênção reveste-se da Graça que fortalece a vida matrimonial, de acordo com o projeto do Senhor. Os cônjuges, fortalecidos assim pelo Espírito Santo, tornam-se testemunhas vivas do amor e da fidelidade conjugal.


Por outro lado, sabemos que Deus é único, mas não solitário, e constitui uma Comunidade Familiar ou Família, constituídas de três Pessoas: o Pai, e o Filho e o Espírito Santo. A Família Perfeita, onde o Espírito é o elo de Amor entre o Pai e o Filho, o Filho e o Pai. O pai se esvazia de si para conter o Filho pelo Amor do Espírito; o Filho se esvazia de si mesmo para conter o Pai, pelo mesmo Espírito. A FAMÍLIA DO AMOR.



Como Católicos, somos chamados – por vocação – ao Matrimônio, sendo cooperadores de Deus na geração da vida.



As famílias têm de tomar consciência do quanto representa a Palavra de Deus em sua vida familiar. Faz-se necessário que os pais sejam evangelizados pra que possam evangelizar os filhos. Saibamos que o lar é “A Igreja Doméstica”, onde o anúncio da Boa Nova deve ser realizado em primeiro lugar. Ninguém substitui os pais nesta tarefa. É de responsabilidade exclusiva de cada pai e de cada mãe.



A Igreja põe-se à disposição de quem a procura em busca de como orientar e evangelizar os filhos, através de Cursos Bíblicos, Catequese, e outros mais.



A Família de mãos dadas com a Igreja, serão imprescindíveis para levar o anúncio do Evangelho até os confins da terra.



Fonte: Familiaris Consortio

Paz e Luz
Antonio Luiz Macêdo


Leia mais Artigos do Autor:
Catequese Católica (busque em Colunistas)
Sou Catequista (busque em Artigos)

quarta-feira, 30 de outubro de 2019

Quais os nomes dos pais pais d Virgem Maria? M


Em João 21,25 está escrito: “Jesus fez ainda muitas outras coisas. Se fossem escritas, uma por uma, penso que nem o mundo inteiro poderia conter os livros que se deveriam escrever.” Isso significa que os escritores sagrados (Hagiógrafos) fixaram-se no essencial.


No projeto de Salvação idealizado pelo Pai, Maria representava o fundamento, a essência, porque dela nasceria o Salvador. O evangelista mais íntimo – Lucas – descreveu alguma coisa da Mãe de Deus.


A Bíblia não menciona os nomes dos pais de Maria. Chegou-nos até nós através de um escrito apócrifo (oculto), considerado pela Igreja como não inspirado pelo Espírito Santo, e por isso chamado Deuterocanônico. É o protoevangelho de Tiago, cujo valor histórico é representativo.  Joaquim e Ana são os pais da Virgem Maria. “O pai era muito rico e levava suas ofertas em dobro ao Senhor; enquanto que Ana era estéril.”


Se não existisse essa fonte, com certeza os avós maternos de Jesus permaneceriam no anonimato, e a Igreja não celebraria a sua festa no dia 26 de julho.

Paz e Luz
Antonio Luiz Macêdo

Leia mais artigos do autor:

terça-feira, 29 de outubro de 2019

A Hemorroíssa


                                                                                               
O Evangelho não explicita seu nome, onde morava, o que fazia... Mas fala de “certa mulher”, talvez para amenizar o estigma que carregava há doze anos e a atormentava dia e noite, noite e dia, no corpo, na alma e no coração.

   
A hemorragia da qual fora acometida fizera com que passasse pelas mãos de vários médicos, gastando tudo o que possuía, inclusive a esperança que se esvaía com a possibilidade, cada vez mais distante, de uma cura efetiva que a permitisse viver outra vez.


Perdera tudo, mas não perdera a FÉ. Mesmo sabendo das consequências excludentes e marginalizantes pelas quais passava, não se deixava abater, não se deixava vencer, pois sentia no mais profundo do seu ser, que um raiozinho tênue de sol um dia haveria de iluminar novamente a sua vida.

  
Nós que estamos de fora, vivemos uma outra realidade e uma outra cultura, não temos a mínima capacidade de avaliar a desarmonia dos sentimentos, das emoções e da afetividade desta mulher. Chamá-la-ei a partir de agora pelo nome de Verônica.

   
A Lei era severa; o seu descumprimento, mortal. “Quando uma mulher tiver um fluxo de sangue por diversos dias, fora do tempo das suas regras, ou se as suas regras se prolongarem, estará durante toda a duração do fluxo, no mesmo estado de impureza em que esteve durante o tempo de suas regras. Assim será para todo o leito sobre o qual ela se deitar durante todo o tempo do seu fluxo, como o foi para o leito em que se deitou quando das suas regras. Todo o móvel sobre o qual se assentar ficará impuro, como quando das suas regras. “Quem os tocar ficará impuro.” (Lv 15,25-27).

   
Se fosse casada, de que maneira viveria esta situação? Um beijo, um abraço, um carinho, tornava-se um desejo reprimido não apenas diante daquele homem que ela amava tanto, a ponto de tomá-lo por marido, mas diante do pai, da mãe, dos irmãos, dos amigos, da família... Não poder tomar nos braços o fruto que ela gerara num ato de amor intraduzível, o filho, que crescera e ela nem se dera conta, porque a doença a consumia, e Verônica não tivera olhos para vê-lo crescer; a humilhação de não ver tocado o lugar que ela tocara, o talher que ela usara, o banco onde sentara, o leito onde deitara e amara, e amara, e amara... A sua impureza tornava tudo impuro, menos a sua fé, seu restinho de esperança, menos o seu amor que era mais forte do que a morte”.
    

O que a diferenciava de muitos é que “ela tinha ouvido falar de Jesus”. Vendo-o passar acompanhado de numerosa multidão, não se intimidou. Dizia de si para si: Se ao menos tocar as suas roupas, serei curada”. Nunca passara pela sua cabeça deixar-se vencer por aquele número prodigioso de pessoas. Um fato apenas a incomodava: se alguns daqueles a reconhecessem e apontassem para ela, denunciando, de certa forma, o estigma que carregava. Mudou de pensamento. Respirou fundo, encheu-se de coragem, quebrou a última barreira que desejava subjugá-la “e aproximou-se de Jesus - por detrás - no meio da multidão e tocou-lhe a roupa. E logo estancou a hemorragia. E ela sentiu no corpo que estava curada do seu mal”.


No princípio o espanto que durou alguns minutos e que parecia tomar ares de eternidade. Depois, a constatação real, verdadeira, evidente, de que a hemorragia
desaparecera de maneira total. O toque da fé fora suficiente para a realização da cura de Verônica.

  
 Sentimentos e moções são traduzidos de diversas formas; porém, a forma que expressa mais profundamente o que está escrito na alma, não se traduz por palavras nem gestos, mas pelas lágrimas que nascem de olhos sofridos e escorrem feito pérolas pela face sugada daquela que nunca perdera a FÉ. Lutara até contra si mesma e saíra vencedora.

   
Abraçar, beijar o seu amado; encantar-se dos encantos do seu leito conjugal; tomar no colo o filho de suas entranhas depois de doze anos de sofrimento e exclusão; poder cumprimentar a família, os amigos; freqüentar lugares antes proibidos... Realmente só poderia ter sido obra de Jesus.

   
Você que carrega no corpo e na alma quaisquer tipos de doença, e que um dia já ouviu falar de Jesus e das curas e milagres que é capaz de realizar, descruze os braços,erga-se do seu comodismo,, exercite a sua fé, reavive a sua esperança, porque Jesus está vivo e vive no meio de nós, e no nosso meio quer realizar as maravilhas que realizou há dois milênios atrás.

   
Verônica aproximou-se por detrás e tocou as roupas te Jesus. A Lei Antiga foi levada à perfeição. Por causa disso você pode aproximar-se de Jesus pela frente,
E hoje é Jesus que quer tocar você através do Sacramento da Eucaristia – o sinal mais perfeito e mais presente do Amor de Deus no meio de nós. Alimento que percorre todo o nosso corpo, alma e coração, e nos restaura, e nos cura, e nos liberta, e nos faz homens e mulheres novos, em Jesus.

   
Acredite, confie, creia, nunca perca a esperança; lute, não entregue os pontos. Não importa quando ou como, o que importa é que Jesus quer fazer uma obra nova em tua vida como fez a obra na vida de Verônica, aquela “certa mulher”. Lembra?

   
Agora um segredo: na Eucaristia Jesus não vai perguntar em voz alta para que todos possam ouvir, “quem me tocou, pois senti que saiu de mim uma força?” Vendo a tua fé, ele poderá sussurrar ao teu coração: “Meu filho, minha filha, eu te toquei; mas foi a tua fé que te salvou. Vai em paz e estejas curado, estejas curada do teu mal”. São palavras e gestos que curam o corpo, a alma e o coração.

Fonte: Lucas 8,43-48

Paz e Luz
Antonio Luiz Macêdo


Leia mais Artigos do Autor:
Catequese Católica (busque em Colunistas)
Sou Catequista (busque em Artigos)

segunda-feira, 28 de outubro de 2019

5 ordens de Deus para alcançarmos a vitória


Quantas e quantas vezes buscamos o caminho da vitória e saímos derrotados? Aqui estão cinco passos, cinco ordens do Senhor para alcançarmos a vitória.


Façamos um percurso pelo Salmo 36(37)
"Não te irrites por causa dos que agem mal". A irritação nos deixa desequilibrados emocionalmente,e e já começamos a caminhada derrotados. (versículo 1)


"Espera no Senhor e faze o bem". É esta esperança que nos impulsiona à vitória. Sempre esperar no Senhor, e não nas pessoas. (versículo 3)


"Põe tuas delícias no Senhor, e os desejos do teu coração ele atenderá". Quando a Palavra de Deus se torna delícia para nós, tenhamos a certeza que Ele realizará os nossos desejos porque estamos caminhando sobre a sua Palavra e realizando a sua vontade. (versículo 4)


"Confia ao Senhor a tua sorte, espera nele, e ele agirá". A confiança revestida da esperança, fará com que Deus revele a sua fidelidade. (versículo 5)


"Em silêncio abandona-te ao Senhor". É neste abandono sem alarde, onde a voz do nosso silêncio se une à voz do silêncio do Senhor, que Ele nos recordará os passos anteriores e a vitória surgirá. (versículo 7)

Paz e Luz
Antonio Luiz Macêdo


Leia mais Artigos do Autor:
Catequese Católica (busque em Colunistas)
Sou Catequista (busque em Artigos)


domingo, 27 de outubro de 2019

A conversão passa por aqui


Todo propósito de transformação exige mudança de comportamento, de hábitos, de atitudes... de vida. Esta mudança recebe o nome de CONVERSÃO, ou seja: RENÚNCIA DA VONTADE OU AUTODOMÍNIO sobre o estilo de uma vida velha.


É um processo diário em que existem lutas e mais lutas. Pelas nossas próprias forças, jamais atingiremos a CONVERSÃO. Mas Jesus, sabendo já das dificuldades pelas quais haveríamos de passar, nos deixou uma receita com três medicamentos espirituais, juntamente com a posologia recomendada.


ORAÇÃO – Relacionamento íntimo com Deus. Há uma frase que diz: “A Oração é a força do homem e a fraqueza de Deus.” Por isso São Paulo acentua: “Orai sem cessar!” E aqui não se trata de orações com palavras, mas da sintonia constante com Deus. Oração silenciosa de coração para coração.


CONFISSÃO – O Sacramento do Perdão, da Reconciliação. “Àqueles a quem perdoardes os pecados, ser-lhes-ão perdoados.” A Santa Igreja Católica – em um dos seus mandamentos – diz: “Confessar-se pelo menos uma vez cada ano pela Páscoa da Ressurreição.” Isso não significa que não possamos nos confessar uma vez por mês, o que seria normal. Neste Sacramento Deus nos acolhe, perdoa e abraça na pessoa do Sacerdote. Enquanto o pecador anda, a Misericórdia corre.


EUCARISTIA – Quer dizer AÇÃO DE GRAÇAS. É o Sacramento do Amor. “Tomai todos e comei. Isto é o meu corpo que será entregue por vós. Fazei isso em memória de mim.” Alimento indispensável e fundamental para a nossa vida interior, a ponto de Jesus afirmar: “Quem não comer a carne do Filho do Homem nem beber o seu Sangue, não terá a vida.”


Sem estes três medicamentos espirituais, nenhum ser humano é capaz de sobrepujar-se e converter-se. TOME POSSE!

Fonte: Mateus 6,1-6.16-18

Paz e Luz
Antonio Luiz Macêdo

Leia os Artigos do Autor:
Catequese Católica (busque em Colunistas)
Sou Catequista (busque em Artigos)

sexta-feira, 25 de outubro de 2019

A preguiça marca o corpo e fere a alma


É interessante vermos nos dias de hoje (dias difíceis), pessoas de braços cruzados, comodamente sentados nas calçadas, esperando por migalhas de esmolas porque estão infectados pelo vírus da preguiça. O pior é que este vírus apresenta grande nível de contágio, infectando outras pessoas também.


Com pessoas corajosas e decididas ocorre exatamente o contrário: descruzam os braços e levantam-se do comodismo em busca da sobrevivência, às custas do seu próprio suor. Estes serão recompensados.


O livro de Provérbios 13,4 nos fala destes dois tipos de pessoas: “A alma do preguiçoso deseja, e coisa nenhuma alcança; mas a alma dos diligentes se farta”.
Somos preguiçosos ou diligentes? Dê cada um a sua resposta.


Paz e Luz
Por Antonio Luiz Macêdo


Leia mais obras do autor:
Sou Catequista (busque em Artigos)

quarta-feira, 23 de outubro de 2019

Nunca pense em desistir de Deus


Muitas vezes na vida em consequência das dificuldades pelas quais passamos, ou mesmo tempestades que parecem nos vão sucumbir, pensamos em abanmdonar Deus, como se Ele fosse o culpado pelas nossas infelicidades.


Nestes momentos sombrios que a caminhada nos prepara, demos uma olhadela nos problemas de outras pessoas e veremos que os nossos são superáveis.


Abandonar Deus, por que? Não. Saiba que agora, neste instante, Ele encontra-se mais próximo de você do que você mesmo. Não se desespere. Ele quer te ajudar. Deixe-se ajudar por Ele. O amor que Ele tem por você é infinito. Nunca pense em abandoná-Lo. Deus está em você e com você, e quer o melhor pra você. Deus é Amor. Não desista de Deus; Ele jamais desistirá de você.


Paz e Luz
Antonio Luiz Macêdo


Leia os Artigos do Autor:
Catequese Católica (busque em Colunistas)
Sou Catequista (busque em Artigos)